22.5.13

ENTREVISTA EXCUSIVA A CRISTINA BRANCO

A dias de su presentación en Argentina Cristina Branco aceptó una entrevista de La Voz del Club Portugués para contarnos algunas percepciones de su visita al país y adelantarnos con que nos va a sorprender en este recital del sabado 15 de junio en la Trastienda en el marco del Día de Portugal.
Agradecemos la predisposición de Cristina hacia nosotros sabiendo que en estos días está cumpliendo con compromisos en Portugal y Europa.


 LVP: La gira por América del Sur será la presentación de su último CD Alegría ¿Qué la llevó a grabar ese CD tan particular?

CB: A noção de que ter um lugar público, uma voz, me faz consciente e interventiva enquanto ser social! Pôr o dedo na ferida, apontar o que está mal na minha sociedade, ou na sociedade em geral, nesta Europa em crise, não só social, mas de valores, económica e financeira e até ambiental. Compete a mim e a quem pode dar a cara ou a voz, tentar mudar/mover as coisas. Alegria é um paradoxo com o conteúdo do disco, mas também uma chamada de atenção.

LVP: De su visita anterior a la Argentina ¿Qué imagen se llevó del país y de la comunidad portuguesa ?

CB: Do vosso país infelizmente apenas conheço Buenos Aires e muito pouco. A minha primeira visita foi em 2003 e foi uma visita mais longa, deu tempo para contemplar, parar o olhar em algumas coisas maravilhosas e ouvir a vossa música extraordinária. Tenho a melhor impressão, bem como da comunidade portuguesa, que se entrosou com os argentinos, vive integrada mas não esquece as suas raízes. Isto é uma mera opinião do pouco que me foi dado conhecer, naquela época, quando estive em Buenos Aires por um pouco mais de tempo.

LVP: En su CD anterior, el tango y la milonga eran la motivación, que representa el tango para usted, como llegó a él y quienes son sus referentes en esa melodía?

O Tango esteve sempre próximo do fado, têm uma aproximação, uma temática semelhante e pareceu-me interessante explorar essa vertente.
Como referência máxima diria Piazzolla, Carlos Gardel e Horácio Molina. Depois sou grande apreciadora do trabalho de Cristobal Reppetto.

LVP: " Alfonsina y el mar" es un tema emblemático del folclore argentino ¿Cómo llegó a usted esa canción y qué la sedujo para tenerla en su repertorio?

Alfonsina era um tema de referência que conheci cantada na voz de Mercedes Sosa. Foi para mim como uma canção de embalar, apesar de falar de Alfonsina Storni e sua história trágica. Alfonsina aparece num disco meu chamado “Ulisses”, que surge justamente depois da primeira visita ao vosso país e outros países da América do Sul. Um disco que contemplava a viagem como mote para cantar, trazer outras influências para a minha sonoridade, a minha música. Foi um momento muito marcante!

LVP: . Los portugueses residentes en la Argentina trajeron las "saudades" del fado tradicional, del fado de Amalia, ese que escuchaba su abuelo ¿ Qué cambió en el fado a través de todos estos años?

O Fado mudou e cresceu, amadureceu, para servir a sociedade que temos hoje. É uma música urbana em constante mutação com o seu povo. Quando digo mutação não significa que as raízes não se mantenham, bem pelo contrário! Mas aproximou-se de outras linguagens, emprega textos de autores actuais que são o retrato da nossa sociedade.

LVP: ¿Quienes la acompañarán en la parte musical del show y que importancia tiene la guitarra portuguesa en sus conciertos?

O Ricardo Dias, o pianista, produtor musical e compositor de algumas músicas, o Bernardo Moreira no contrabaixo e o Bernardo Couto na Guitarra Portuguesa. Este instrumento é de primordial importância, porque encerra, naquele som estranho e estridente a essência, a alma do fado! Na verdade, acredito que o meu som se basta nestes três instrumentos, com eles conseguimos ter a dinâmica certa, a apresentação certa do que estamos e queremos fazer. A Guitarra não se dissocia jamais do Fado, em minha opinião.

LVP; Además de los nuevos temas de Alegría con que más se encontrarán los asistentes al espectáculo.

Faremos retratos de pessoas, vamos contar a história de vários personagens do Alegria, e incluiremos (tanto mais que um disco irrompe do outro necessariamente), temas do disco anterior e outros que me são queridos, que têm que ver com a comunhão dos povos, com o que vocês se identificam também!